quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Salto livre sua história....



O paraquedismo, ao contrário do que muitas pessoas pensam, não foi criado há pouco tempo, ele vem do sonho antigo do ser humano de voar livre no ar.
Este sonho tem início registrado na mitologia grega por Diodoro Sículo (90 a.C. - 30 a.C.), que mostraDédalo e seu filho Ícaro na busca de alçar vôo com asas de penas de pássaro ligadas por cera.
Dedalo e Ícaro

Temos ainda, na antiga China, no livro Si Ji, em 90 a.C., escrito pelo historiador Si Ma Chian que viveu durante a dinastia Han, a lenda que descreve como o Imperador Shun, 2000 anos antes, usando uma espécie de paraquedas para sobreviver a queda da torre do seu palácio.
Em 200 a.C., temos relatos de acrobatas chineses que se atiravam de grandes alturas usando algo parecido com um paraquedas durante os shows feitos para divertir o Imperador.
As primeiras experiências ocidentais com paraquedas datam do século IX, na península Ibérica. Na época, a região, sob domínio árabe, era um dos centros tecnológicos do mundo. E foi lá, em Córdoba, em 852, que Abbas Qasim Ibnu Firnas (810 – 888) tentou alçar vôo, atirando-se no vazio do alto do minarete da Grande Mesquita de Córdoba. Ele conseguiu pousar com ferimentos menores.
Abbas Qasim Ibnu Firnas
Em 1306, aparecem registros de acrobatas chineses que se atiravam de muralhas e torres empunhando um dispositivo semelhante a um grande guardachuva que amortecia a chegada ao solo, em espetáculos de paraquedas acrobáticos no palácio do Imperador Yuan.
Em 1495, Leonardo da Vinci escreveria em suas notas: "Se um homem dispuser de uma peça de pano impermeabilizado, tendo seus poros bem tapados com massa de amido e que tenha dez braças de lado, pode atirar-se de qualquer altura, sem danos para si". Leonardo é considerado o precursor como projetista de um paraquedas no ocidente.
Paraquedas de Leonardo da Vinci
Em 1617, o italiano Fausto Veranzio, aperfeiçoa o desenho original de Leonardo e salta com um "paraquedas quadrado" da torre da catedral de Veneza, aterrando ileso diante dos espectadores. Ele autodenominou-se  homo volans (homem voador).
O primeiro verdadeiro salto de paraquedas
O paraquedas de Fausto Veranzio
Em 1783, Louis-Sébastien Lenormand (Maio 25, 1757 – Dezembror 1837) constrói e patenteia um paraquedas com que repetidamente executa saltos. Ele é considerado o primeiro homem que efetuou um salto de paraquedas e é também considerado o criador da palavra parachute (do grego para – “contra”, e do Frances chute - “queda”). Após um salto realizado de uma arvore com a ajuda de dois guarda-chuvas  modificados, Lenormand redefiniu o desenho e no 26 de dezembro de 1783 salta da torre do observatório astronômico de Montpellier em frente a uma multidão que incluía Joseph Mongolfier, usando um paraquedas de 14 pés de diâmetro com armação de madeira.
O paraquedas de Louis-Sébastien Lenormand
Em 1785Jean-Pierre François Blanchard (Petit-Andely, França, 4 de julho de 1753 – Paris, França, 7 de março de 1809), um famoso balonista, constrói e salta com um paraquedas feito de seda, sem a armação fixa que ate então era utilizada para manter o velame aberto.
Em 1797Andre-Jacques Garnerin, (31 de janeiro de 1769 – 18 de agosto de 1823), inventa e constrói o primeiro paraquedas sem armação e em Paris, salta de um balão a uma altura aproximada de 2000 pés. Garnerin prossegue saltando regularmente e a ele a história deu a honra de ser considerado o primeiro paraquedista do mundo. Em 1802, em Londres, Garnerin salta a 8000 pés, um recorde para a época.
Ele realizou o primeiro salto com um paraquedas de seda em 22 de outubro de 1797 no Parc Monceau em Paris. O paraquedas de Garnerin é semelhante a um guarda-chuva fechado, na subida, com uma vara no centro, e uma corda de acionamento que passa através de um tubo no topo, que é conectado ao balão. Garnerin andava em um cesto acoplado na parte inferior do paraquedas, e, a uma altura de aproximadamente 3.000 pés (900 m), ele cortava a corda que ligava seu paraquedas ao balão. O balão continuava em direção ao céu, enquanto Garnerin, com sua cesta e paraquedas, caia. A cesta oscilava violentamente durante a descida, em seguida, batia e raspava no chão durante o pouso, mas Garnerin saia ileso.
O paraquedas de Andre-Jacques Garnerin
O paraquedas de Andre-Jacques Garnerin
Primeiros saltos regulares de paraquedas
Sua esposa Jeanne-Geneviève Garnerin foi a primeira mulher paraquedista, realizando o primeiro salto feminino da história em 28 de março de 1802. Como na época nenhum material permitia sustentar o vôo sem uma adequada razão de planeio, ela acrescentou umas espécies de asas, criando um hibrido entre paraquedas e planador.
A Patente de Garnerin
Iordache Cuparencu (1784, Iași - 1844, Varsóvia) Em 1808, pela primeira vez o paraquedas foi usado como salva-vidas quando o moldávio-polonês Cuparencu o utiliza para saltar de um balão em chamas. Em 1806 1808, ele saltou de um balão em Varsóvia e Vilnius saltando de cerca de 4000 pés.
Robert Cocking (1776 – 24 de julho de 1837) Em 1837, acontece o primeiro acidente fatal com um paraquedista, quando Robert Cocking falece em razão do impacto contra o solo. Cocking saltava com um paraquedas com o desenho de um cone invertido que se mostrou inadequado, não resistiu à pressão e fechou. Em 24 de julho de 1837, às 19:35, Cocking subiu pendurado abaixo do balão, que foi pilotado por Green Spencer. Cocking estava em uma cesta que pendurou abaixo do paraquedas, por sua vez pendurada debaixo do cesto do balão. Cocking esperava conseguir 8.000 pés (2.440 m), mas o peso do balão juntamente com a do paraquedas e os três homens retardou a ascensão, aos 5.000 pés (1.500 m) e com o balão acima de Greenwich, Green informou Cocking que ele seria incapaz de elevar-se mais se a tentativa era para ser feita à luz do dia. Cocking então, lançou o paraquedas. Uma grande multidão se reuniu para testemunhar o evento, mas foi imediatamente óbvio que Cocking estava com problemas. Ele tinha esquecido de incluir o peso do próprio paraquedas em seus cálculos e, como resultado, a descida foi muito rápida. Apesar de rápida, a descida continuou uniformemente por alguns segundos, mas depois todo o aparelho virou do avesso e mergulhou para baixo com velocidade crescente. O paraquedas se quebrou antes de bater no solo a cerca de 200 a 300 pés (60-90 m) do chão a cesta individual se separou dos restos da copa. Cocking morreu instantaneamente na queda, seu corpo foi encontrado em um campo em Lee. A culpa pela falha do paraquedas foi determinada pela combinação de falhas no cálculo de peso (o paraquedas em si pesava cerca de 113 Kg) e de sua frágil construção, na qual as costuras que ligavam o tecido aos aros cederam. No entanto, os testes efetuados por John Wise, um balonista norte-americano, mostraram que o projeto de armamento teria sido bem sucedida se apenas tivesse sido maior e mais bem construído. Na comparação entre os projetos de Garnerin e paraquedas de armamento, ele descobriu que o último sempre descia de uma forma muito mais regular e uniforme. O problema de oscilação do paraquedas Garnerin, foi depois foi resolvido com a introdução de uma abertura no topo do paraquedas. Jérôme Lalandes já há algum tempo tinha sugerido o corte de um pequeno buraco perto do ápice da copa para inibir as oscilações. Esta alteração é agora conhecida como a ventilação e, de fato, reduz drasticamente as oscilações do paraquedas. Após a morte de Cocking o paraquedismo tornou-se impopular, e limitou-se a atos de carnaval e circo até o final do século XIX, quando a evolução, como o harness e a fita de lançamento o tornaram mais seguro.
O paraquedas de Robert Cocking

Subida de Robert Cocking
Queda do paraquedas de Robert Cocking, 24-07-1837.
Em 1887, o Capitão americano Thomas Baldwin inventa o equipamento que se ajusta ao corpo do paraquedista, substituindo os cestos até então utilizados. Este invento foi um novo e importante passo para o desenvolvimento do paraquedismo.

Salto de Thomas Baldwin
Em 1890Paul Letteman e Kathchen Paulus inventaram um método para dobrar o paraquedas e colocá-lo em uma mochila para ser usado nas costas antes de seu lançamento. Kathchen Paulus também inventou o pilotinho, um pequeno paraquedas abre primeiro e puxa para abrir o paraquedas principal.
Em 1901Charles Broadwick aprimora e utiliza o paraquedas dorsal, fechado dentro de um invólucro, como os que hoje são utilizados pelos pilotos de aviões militares. O sistema de abertura do paraquedas era um cabo amarrado ao balão.
O Paraquedas de Broadwick aprimorado
Glenn L. Martin, Georgia "Tiny" Broadwick, Charles Broadwick
Em 1911 tanto Grant Norton quanto o Capitão Albert Berry declararam ser o primeiro homem a saltar de um avião. Até hoje há discordância sobre quem foi o primeiro.Morton saltou de paraquedas de seda dobrado em seus braços que ele jogou fora quando saiu do avião. O Capitão Berry tinha um paraquedas de 36 pés embalados em uma caixa de metal embaixo da fuselagem. O paraquedas tinha uma barra de trapézio para ele segurar enquanto ele saltou e desceu até o chão. Também em 1911, um italiano, Pino, inventou o pilotinho ou drogue. Ele acoplou um pequeno paraquedas com uma estrutura rígida ao seu capacete. O pilotinho inflaria facilmente ao sair do avião, puxaria o capacete e, em seguida, puxa o paraquedas no fluxo de ar.
Primeiro salto de Albert Berry
Salto de Albert Berry
O Paraquedas de Albert Berry
O primeiro paraquedas moderno que se tornará o T10
Em 1914, Georgia Ann "Tiny" (Pequena) Broadwick (1893-1978), filha adotiva de Charles Broadwick, efetuou o primeiro salto em queda livre, acionando o paraquedas manualmente. Foi então uma mulher que realizou o primeiro salto moderno.
Georgia Ann Broadwick foi uma aventureira que se tornou pioneira da aviação. Ela foi apelidada de Tiny porque ela pesava apenas 39 Kg e media pouco mais de 120 cm.
Tiny 
nasceu como Georgia Ann Thompson, em 1893, em Oxford, no Condado de Granville. Seus pais lutaram para ganhar a vida como agricultores. Quando Tiny era criança, o pai levou a família para Henderson, Vance County, para trabalhar nas fábricas de algodão. Tiny também trabalhou na fábrica para ajudar a sustentar sua família. Um dia ela foi para o carnaval em Raleigh, e sua vida mudou para sempre. De todas as atrações do Carnaval, um evento agarrou-lhe a atenção: o salto de paraquedas. Tiny assistiu com entusiasmo como Charles Broadwick, um balonista famoso, descia normalmente a partir de um balão de ar quente com um paraquedas. Ela queria saltar de paraquedas de um balão exatamente como ele havia feito. Tiny conversou com Broadwick depois do show. Ela o convenceu de que ela poderia saltar por causa de seu tamanho pequeno, e ele concordou em lhe ensinar. Em 1908 Tiny fez o seu primeiro salto de paraquedas. Em pouco tempo, ela se tornou a emocionante estrela do carnaval e multidões corriam para admirar seus talentos. Charles Broadwick adotou  Tiny como sua filha, e ela mudou seu sobrenome para Broadwick.
Depois de assistir Tiny executar saltos, o projetista de aeronaves e piloto Glenn L. Martin pediu que ela saltasse de paraquedas do seu avião. Ela fez seu primeiro salto em 21 de junho de 1913 e se tornou a primeira mulher a saltar de um avião. Tiny também se tornou a primeira mulher a saltar de um hidroavião, a primeira mulher a fazer um salto com pouso na água, e foi a primeira pessoa a executar a queda livre de um avião (esperando um tempo antes de abrir o paraquedas). Em 1915 ela deu a primeira demonstração de um salto de paraquedas para o Exército dos Estados Unidos. Glenn Martin e Tiny Broadwick rodaram pelos Estados Unidos como um time popular temerário. Tiny fez mais de 1.100 saltos, incluindo aparições em 1915 e 1916 na Feira Mundial de San Diego.
Tiny fez seu último salto, em 1922. Sua fama se apagou com o passar dos anos, mas ela recebeu o reconhecimento por suas realizações mais tarde em sua vida. Desde o início dos anos 1950 até sua morte em 25 de agosto de 1978, ela recebeu muitos prêmios e honrarias. Ela foi condecorada como membro honorário no Clube de Aventureiros de Los Angeles e outros grupos. Tiny Broadwick, um grande nome na história do paraquedismo, será lembrada por suas contribuições ao nosso esporte.

Salto de Georgia "Tiny" Broadwick
Entre 1914 1918 o paraquedas foi usado foi durante a primeira guerra mundial. Naquela época, as correções dos tiros de artilharia eram feitas pelos observadores avançados embarcados em balões. O inimigo, para cegar a observação, empregava aviões para derrubar os balões, então os observadores passaram a utilizar os paraquedas para salvar as suas vidas.Os pilotos de avião só passaram a usar o equipamento no final da guerra, por causa do argumento absurdo que, sem o paraquedas, eles seriam mais combativos em evitar a queda da aeronave.
Paraquedistas na primeira guerra mundial
Leslie Irvin e James Floyd Smith inventam o RipCord System usado no Centro de Treinamento e Teste de Paraquedas, estabelecido em 1918 em Wright Field.
James Floyd Smith
Primeiro paraquedas de James Floyd Smith
Primeiro paraquedas de James Floyd Smith
Paraquedas aprimorado de James Floyd Smith
Em 1919, Leslie Irvin é o primeiro homem a executar o primeiro salto livre, abrindo o paraquedas, por ação muscular voluntária durante a queda livre usando o Ripcord.
Leslie Irwin
O primeiro salto de Leslie Irwin
Leslie Irwin
No período entre a duas guerras mundiais teve o forte desenvolvimento das unidades militares paraquedistas utilizando o paraquedas redondo em seda. Nos EUA, o maior entusiasta foi o brigadeiroWilly Mitchell. Outros países, como União Soviética, Itália e Alemanha, também demonstraram grande entusiasmo militar pelo novo equipamento. Em 1927, tropas italianas realizaram, com êxito, o primeiro salto coletivo de uma unidade constituída (186º Batalhão Paraquedista Folgore).
Primeiro salto em grupo da história do 186º Batalhão Paraquedista "Folgore" 1927
Em 1930, na União Soviética, os russos organizam o primeiro Festival Desportivo de Paraquedismo e investiram em saltos de grande escala e, em 1935, 6 mil soldados saltaram em Kiev.
Na Alemanha, o novo tipo de tropa encontrou o seu maior incentivador, o General Kurt Student, que operacionalizou o emprego da tropa como arma de assalto estratégico. Durante a década de1930 na Alemanha, a  Luftwaffe estabeleceu os ingredientes essenciais para a supremacia aérea. O General Kurt Student concebeu e implementou uma força de ataque rápida utilizando os paraquedas para lançar homens, equipamentos e armas de aviões, como o JU52/3m Junker. Em 1941, o exército alemão demonstrou a eficácia de tropas aerotransportadas entregues à cena da batalha por paraquedas lançando paraquedistas militares para conquistar a Ilha de Creta, ganhando a batalha apesar do elevado número de baixas.
Paraquedistas alemães em Creta 1941
Paraquedistas alemães em Creta 1941
A partir de então, praticamente todos os exércitos do mundo implementaram tropas paraquedistas nos seus quadros, inclusive o Exército Brasileiro ( Brigada de Infantaria Paraquedista), inspirada no modelo norte-americano.
Após a Segunda Guerra quando os paraquedas eram utilizados somente para o lançamento de tropas e suprimentos, os militares perceberam a possibilidade de fazer saltos por esporte e diversão.
A partir do desenvolvimento de sistemas de acionamento manual, foram realizadas as primeiras quedas livres com os paraquedas redondos (T-10), os mesmos utilizados para o lançamento de tropas.
Sem dirigibilidade e muito pesado, o paraquedas, na época, era muito perigoso, já que uma vez aberto o velame, o paraquedas pousava onde o vento o levava, sem conseguir que o impacto fosse amenizado.
Foi necessário o desenvolvimento de um velame com fendas direcionais traseiras para possibilitar a navegação para mais longe ou mais perto. Porém, o forte impacto do pouso ainda não estava resolvido.
A partir dos paraquedas redondos, o T-10 e T-U, foram desenvolvidos os velames conhecidos por Papillon (Francês) e Para-Commander (norte-americano). O paraquedas já tinha uma boa dirigibilidade, mas ainda os seus recursos eram muito restritos quanto à precisão da chegada ao alvo. O velame reserva, atualmente alojado numa única mochila atrás, na parte de cima – era instalado na frente da barriga e era conhecido como reserva ventral.
T-10 Principal
T-10 Reserva ventral
T-10 principal e reserva
Paraquedista militar americano de T-10
Dai em diante o paraquedismo se desenvolve numa velocidade vertiginosa, seja quanto aos equipamentos, técnicas de salto, tipos de competição e também aparelho militar.
Na década de 1950, durante o início dos projetos espaciais, Francis Melwyn Rogallo desenvolveu uma asa única de membrana flexível, conhecido como o parawing. O grande parawing foi projetado para a recuperação de veículos na reentrada na atmosfera. O paraquedas parawing, projetado para máxima sustentação ao invés de máximo arrasto foi aperfeiçoado e em 1963 foi realizado o primeiro paraquedas de asa (parafoil) pelo americano Domina Jalbert, que tinha aplicado e melhorou as teorias de Francis Melwyn Rogallo. Este tipo de paraquedas, então aperfeiçoado, mostrou-se particularmente adequado para atividades esportivas durante a década de 1970.
A patente de Francis Melwyn Rogallo
O paraquedas de Francis Melwyn Rogallo
O parawing de Domina Jalbert
Salto com o parawing de Domina Jalbert
X-38 Recovery Ram-Air Parachute.
No fim da década de 1970 o parawing foi definitivamente substituído pelo parafoil. O parafoil ou ram-air parachute é um aerofólio deformável que mantém o seu perfil capturando o ar dentro de células a membrana retangulares, fechadas do lado da cauda mas abertas na frente. Enfim nasceu o paraquedas moderno que todos nós utilizamos!!!
Ram Air Parachute
Ram Air Parachute
Ram Air Parachute
Ram Air Parachute
Ram Air Parachute
O paraquedas X-38
Paraquedas esportivo atual
De 1495 a 2000... o sonho de voar é realidade... 
Precisão:
Esta é a mais antiga modalidade do pára-quedismo. É praticada com o velame aberto e o objetivo é atingir uma “mosca” no centro de um alvo determinado com 2,5 centímetros de raio. O alvo oficial de pára-quedismo tem 25 metros de raio, sendo os primeiros 10 metros centrais de areia e os 15 metros periféricos de seixo rolado. Atualmente os alvos modernos possuem marcação eletrônica na área próxima a mosca, facilitando e dando maior precisão nas marcações. Após o surgimento dos pára-quedas retangulares, com maior manobrabilidade do velame, as marcas de pouso desta modalidade caíram de dezenas de metros no inicio dos anos 40 para menos de meio metro nos campeonatos atuais. Durante as competições mundiais poucos atletas fazem marcas superiores a 15 cm, alguns deles costumam fazer sucessivas moscas seguidas, desempatando com diferenças menores que 5 centímetros ao final de vários saltos. Estas competições em geral são bastante emocionantes.

Estilo:
Junto com a “Precisão” compõe as provas do "Pára-quedismo Clássico". Em geral as provas clássicas são mais praticadas nas competições militares, uma vez que a precisão dos saltos é fundamental para a atuação das tropas de elite de qualquer força. O “Estilo” é uma prova bastante técnica e realizada em queda livre. O atleta abandona a aeronave a sete mil pés de altura e face ao solo inicia uma seqüência de manobras com quatro curvas de 360 º para ambos os lados e dois loopings. Conhecida como "série de estilo" esta seqüência de manobras é registrada por uma câmera de solo possibilitando o julgamento do atleta. O tempo que se demora a efetuar a série é registrado e os erros dos giros são transformados em acréscimo de segundos. Ganha quem alcançar a menor média de tempo para fazer às seqüências completas. No “Estilo” é necessário muita concentração, as disputas são bem acirradas pelos décimos de segundo.

Trabalho Relativo de Velame:
Modalidade também praticada com o velame aberto, onde conta a perícia de pilotagem dos pára-quedas. O objetivo é reunir a equipe durante o vôo e construir o maior número de figuras no menor tempo possível. A competição pode ser feita com um pool de figuras sorteadas, quando se repetem as seqüências estabelecidas pelo sorteio ou, por “rotação”, quando a figura é a mesma e revezam-se somente as posições dos atletas mantendo a figura original. Em ambos os casos o número de figuras ou pontos são observados e válidos dentro de um determinado período de tempo, ganhando a prova quem fizer o maior número de pontos. A beleza dos diversos velames voando juntos nestes saltos é indescritível.

Formação em Queda Livre – FQL:
Esta é a modalidade mais praticada e competitiva do pára-quedismo, reúne um grande número de adeptos por exigir uma técnica apuradíssima dos fundamentos necessários para o vôo do corpo em queda livre. Esta modalidade objetiva a formação do maior número de figuras no menor tempo possível. As seqüências das figuras também são sorteadas e executadas por times de 4, 8 ou 16 pára-quedistas. Todos os times têm um “Camaraman” que registra o salto e entrega as imagens aos juizes das provas. Estes contam o número de figuras conseguidas dentro de um determinado tempo e as transformam em pontos, que somados ao final da competição determinam o time vencedor. Aqui, o desafio dos saltos garantem a adrenalina.

Freestyle:
Esta modalidade nasceu com a evolução das habilidades e conhecimentos das técnicas da queda livre. Os atletas saltam em duplas optando por um tipo de queda livre em que o controle dos giros e das posições dão origem a seqüências similares as da ginástica acrobática ou olímpica e dos saltos ornamentais. Equilibrar-se e ter controle nas mais variadas posições do corpo exigem bastante treinamento. O uso do vídeo também esta presente nesta modalidade, mas agora não somente para registrar um salto para julgamento, mas sim para o “camaraman” interagir com o “freeflyer” na seqüência de manobras sendo também julgado pela qualidade artística da filmagem. O “freestyle” é um maravilhoso ballet aéreo.

Freefly:
É a mais nova modalidade do pára-quedismo. A queda livre é feita de todas as formas, as manobras básicas são sentadas, em pé e de cabeça para baixo (“head dow”). Nos times de “Freefly”, formado por três atletas, o vídeo aparece novamente e também conta no julgamento. Apesar de nova, esta modalidade já atraiu muitos adeptos pela descontração e alegria dos saltos, que são sempre muito divertidos.

Skysurf:
Inventado pelo francês Patrick Degaerdon ao final dos anos 80, o “Skysurf “ é semelhante ao “Freestyle” e também é praticado em dupla com um “camaramam”. A prancha dá muita emoção aos saltos, permite manobras originais e possibilita giros bem mais rápidos, fazendo do surf no ar uma modalidade fascinante. A maior e mais famosa competição do “Skysurf” acontece anualmente no “Extreme Games”, a olimpíadas dos esportes de ação. Aqui a interação entre o “skysurfer” e o “camaramam” é de vital importância para as duplas.

Cross Country:
Esta é uma modalidade normalmente praticada em dias de vento forte com o objetivo de cobrir a maior distância possível com o pára-quedas aberto. O salto é feito com vento de cauda (empurrando o pára-quedista) e o segredo está no cálculo correto do PS (ponto de saída da aeronave). Entram nas variantes deste cálculo a altitude da aeronave, a velocidade do vento, o planeio do velame e peso do atleta. Dependendo do vento no “Cross Country” é possível percorrer dezenas de quilômetros e ainda atingir o alvo, ou seja, saltar em uma cidade e chegar em outra por exemplo.

Wing Fly:
Nesta modalidade o grande atrativo é a velocidade horizontal, o objetivo aqui é curtir muito o vôo percorrendo a maior distância possível em queda livre. Para que isso seja possível, os saltos são praticados com macacões próprios para possibilitar este deslocamento, possuem asas que se inflam com o vento entre os braços e o tronco e entre as pernas. Esta grande área permite os deslocamentos verticais de até 160 quilômetros por hora com uma razão bem menor de descida, o que faz a queda livre chagar a quase dois minutos. Por ser a modalidade mais nova do pára-quedismo, ainda é a menos praticada no Brasil, mas promete pegar pela grande emoção descrita pelos que já experimentaram.

Salto Duplo ou Tandem:
Esta é a maneira mais fácil de conhecer o pára-quedismo. Qualquer pessoa pode desfrutar dos prazeres da queda livre caindo na carona de um experiente pára-quedista por 45 segundos. O salto é extremamente seguro, dispensa o curso e após um rápido briefing o passageiro já pode voar. Para os iniciantes do pára-quedismo, o salto duplo pode ser um excelente meio de adaptação funcionando como o começo de uma progressão no esporte.

Um pouco mais...
Os saltos normalmente são realizados entre 2.500 e 4.000 metros, que representa de 20 a 45 segundos de queda livre da saída do avião até a abertura do pára-quedas. Os equipamentos utilizados são especiais, bem maiores que os tradicionais, com duplos comandos e projetados especialmente para este tipo de salto. O piloto é sempre um pára-quedista bem experiente, um veterano do esporte que é responsável por todos os procedimentos, o passageiro só tem a obrigação de aproveitar ao máximo o salto.

Para registrar estas aventuras existe o serviço do “camaramam” para os saltos duplos. Este acompanha todo o salto da preparação ao pouso, registrando todos os detalhes em vídeo e foto.

Para saltar basta ter no mínimo entre sete nove anos, com altura compatível ao tamanho mínimo dos equipamentos e uma autorização dos pais para todos os menores de idade. Para os maiores não há limite de idade, mas há restrições aos passageiros acima de 90 Kg.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário